Mitos e verdades sobre barriga de aluguel

O segredo para engravidar naturalmente em 4 a 6 semanas: Clique Aqui Para Saber Mais

Mitos e verdades sobre barriga de aluguel

A prática conhecida como barriga de aluguel gera muita polêmica há bastante tempo. Mas existe por aí muitos mitos propagados pela ignorância a respeito do assunto. O importante é você ter esclarecimento sobre o tema se quiser considerar a opção para engravidar

Quer engravidar naturalmente? Aqui ensino um método que vai fazer com que você realize esse sonho muito rápido, confira!

A barriga de aluguel ocorre quando uma mulher não pode engravidar, tanto pela falta de útero saudável, por doenças que comprometem a concepção ou por outros fatores diversos.

O casal gera o embrião a partir de técnicas de fertilização in vitro. O embrião é transferido para o útero de outra mulher, que age como incubadora até dar à luz, quando o bebê é entregue aos pais.

O segredo para engravidar naturalmente em 4 a 6 semanas: Clique Aqui Para Saber Mais

Graças à técnica da FIV, é possível formar embriões fora do útero, sem que haja relação sexual entre o homem que vai ceder os espermatozoides e a mulher que cederá os óvulos para a fecundação.

Essa tática facilitou a prática da barriga de aluguel, que é uma expressão inapropriada, visto que o termo está associado a uma relação comercial, o que não é permitido no Brasil. Por isso, a barriga de aluguel deve ser chamada de doação temporária do útero ou gestação de substituição.

Mitos e verdades sobre barriga de aluguel

Um mito que deve ser derrubado é a possibilidade de qualquer casal recorrer a esse processo quando bem entender. Trata-se de uma noção errada, pois o Conselho Federal de Medicina tem uma resolução (1.957/10) que define que apenas parentes de até segundo grau podem ser doadoras temporárias.

Portanto, a legislação brasileira prevê que só mães, filhas, irmãs, avós e netas sejam doadoras genéticas.

Os outros casos precisam passar por uma análise do conselho, que vai avaliar se a prática será autorizada ou não. Além disso, um mito que ainda é tido como realidade, até por conta do nome, é aquele que considera a barriga de aluguel como uma prática lucrativa. No entanto, é proibido cobrar para ser mãe de aluguel e pagar para que uma mulher faça isso por você.

Para que um casal realize o desejo de engravidar e recorra à barriga de aluguel, é necessário que os óvulos e o sêmen sejam doados sem que os doadores conheçam a identidade dos receptores. Como não existe uma lei específica sobre reprodução assistida no país, o que vale por aqui é a resolução que considera o comércio ilegal.

As mulheres que se encaixam nos critérios permitidos por lei para a prática de barriga de aluguel possuem as seguintes características:

– Falta do útero, como no caso de mulheres que necessitaram remover o órgão através da histerectomia;

– Defeitos congênitos, como má formação uterina ou alterações capazes de impedir a gravidez;

– Doenças maternas que apresentam grande risco de morte durante a gravidez, tais como problemas renais, pulmonares ou cardíacos;

– Dificuldade para o desenvolvimento dos embriões em tentativas anteriores.

Uma verdade sobre barriga de aluguel é o fato de que a prática é bastante similar à fertilização in vitro tradicional, pois são usados remédios para estimular os ovários da mãe, antes da realização da captação dos óvulos quando é o momento propício para a fertilização dos óvulos pelos espermatozoides do parceiro.

A transferência dos embriões formados após a fertilização ocorre no útero de substituição, ou seja, no útero da mulher doadora, após a preparação com hormônios adequados. Mas para que tudo isso aconteça de maneira certa, é fundamental que um médico especializado acompanhe o caso, exigindo exames como tipagem sanguínea e sorologias.

Depois de saber tudo sobre barriga de aluguel, convido você a conhecer o método que ensino aqui para engravidar de forma natural em até 6 semanas.

O segredo para engravidar naturalmente em 4 a 6 semanas: Clique Aqui Para Saber Mais

Deixe um Comentário

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

If you agree to these terms, please click here.